Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Estendal Enferrujado

Estendal Enferrujado

28
Out15

Generalizar

Madalena

Este anúncio da Organização Mundial de Saúde sobre a carne vermelha e a carne processada (e aqui não interessa se é vermelha ou não) foi um bom despertar de consciências, disso não há dúvidas.

Devia haver muito boa gente que se fartava de comer bacon, fiambre, salsichas, etc., e que desconhecia os potenciais efeitos dos nitritos e nitratos e das altas temperaturas, utilizados na preparação das chamadas carnes processadas.

Quando comecei a ler artigos sobre o assunto, houve uma coisa que imediatamente me chamou a atenção. No caso das carnes processadas, fala-se sempre em cancro colo-rectal. Não no cancro em geral. Foi dado como exemplo que: 50 g diárias de carne processada aumentam o risco de cancro colo-rectal em 18%. Ora, não querendo estar a menosprezar o cancro colo-rectal, há que não generalizar as coisas. É que de risco de cancro colo-rectal para risco de cancro, vai uma certa diferença e os destaques noticiários não parecem dar importância a isso. Por exemplo, dizem que todos os anos há 34000 mortes devido a dietas ricas em carnes processadas, a nivel mundial. Dividindo 34000 mortes por 7 mil milhões de pessoas, dá qualquer coisa como 0,0000049% da população mundial. E se esta percentagem apenas disser respeito às pessoas que passam os dias a comer mal e que fazem das carnes processadas a sua principal fonte de alimentação? Será que se se consumir estes alimentos moderadamente, sei lá, uma vez por semana, ou de duas em duas semanas, o aumento do risco de cancro colo-rectal é significativo?

Em relação às carnes vermelhas, a ligação com o cancro colo-rectal não foi tão bem definida como o foi para as carnes processadas, foi apenas "com base em provas limitadas". No entanto, no caso das carnes vermelhas, há também evidência de que poderá ter influência no risco de cancro do pâncreas e da próstata e isto sim parece-me muito mais relevante.

 

Artigos 1 | 2 | 3

Comunicado da OMS